Transferrina Deficiente em Carboidratos (CDT)

O marcador mais fiável para o consumo crónico de álcool.

Sobre CDT

O consumo crónico e excessivo de álcool é um problema de saúde pública. O seu diagnóstico e o seu acompanhamento contribuirão para melhores resultados clínicos e para uma redução dos acidentes e dos custos relacionados com álcool. A transferrina deficiente em carboidratos (CDT) é o biomarcador recomendado pela IFCC para o consumo crónico de álcool. O CAPI 3 CDT e o MINICAP CDT são concebidos para quantificar a CDT através da eletroforese capilar das amostras de soro dos pacientes. Durante a análise, as isoformas de transferrina de soro são separadas em cinco frações, principais de acordo com o seu nível de sialilação:

  • Asialotransferrina (não-sialilada)
  • Disialotransferrina
  • Trisialotransferrina
  • Tetrasialotransferrina
  • Pentasialotransferrina

 

O valor percentual CDTIFCC é automaticamente apresentado, com base na curva de calibração da disialotransferrina.

Se o CDTIFCC não for aplicado, um valor percentual de CDT clássico é calculado automaticamente, utilizando isoformas de baixa sialilação, i. e., disialotransferrina associada a asialotransferrina (se estiver presente).

A interpretação é simples. CDTIFCC acima de 2% são anormais e indicativos de um consumo crónico de álcool, enquanto que com o CDT clássico, resultados acima de 1,6% são anormais e indicativos de um consumo crónico de álcool.

Principais vantagens

Medição simples, segura e precisa da CDT

Resultado clínico normal: CDTIFCC ≤ 1.7%
Resultado positivo forensico: CDTIFCC > 2%

Redução do tempo de trabalho manual

Reagentes prontos a utilizar, sem pré-tratamento de amostras e sem necessidade de medição adicional de transferrina total.

Medição automática com visualização de todas as isoformas da transferrina

Potenciais interferências analíticas e genéticas (variantes e CDG) e anormalidades de curva (como no padrão cirrótico) podem, assim, ser detetadas e evitar resultados falsos.

Solução adaptável à configuração de qualquer laboratório

A CDT está disponível nas gamas de instrumentos MINICAP e CAPILLARYS, oferecendo várias configurações, para um fluxo de trabalho otimizado.

Renovação anual da
certificação IFCC
Renovação anual da
certificação IFCC

Características principais

Princípios do teste
  • Os ensaios CAPI 3 CDT – MINICAP CDT têm por base o princípio da eletroforese capilar em solução livre. As isoformas da transferrina são separadas em capilares de sílica, através da sua mobilidade eletroforética e do fluxo eletrosmótico de alta voltagem num tampão alcalino. As isoformas da transferrina são detetadas diretamente durante a sua migração, a partir da absorção UV.

 

  • Todas as etapas da análise são realizadas automaticamente. A diluição da amostra é efetuada utilizando um diluente específico, tornando, assim, possível a saturação do ferro.
Tipo de amostra

Para realizar o teste CDT é necessária uma amostra de soro. No contexto do uso forense, a amostra de soro, ao contrário de uma amostra de cabelo ou de urina, pode assegurar a integridade e a fiabilidade da análise e evitar possíveis fraudes.

Desempenho

    Rendimento (testes/hora)*

CDT

CAPILLARYS 3 OCTA                        49

CAPILLARYS 3 TERA                          73

CAPILLARYS 3 TERA MC3                 179

MINICAP FLEX-PIERCING                  10

 

* Usando a versão de Software 9.30

 

  • Rastreabilidade total e identificação positiva de amostras e reagentes
  • Validação rápida através de perfis identificados por cores ao utilizar o ecrã em mosaico
Informações sobre o produto
  • CAPI 3 CDT – P/N: 2509
  • MINICAP CDT – P/N: 2208